• André Vidmar

Como posicionar sua empresa diante do novo

"Novo normal" é a expressão cunhada por Mohamed El-Erian para caracterizar o fato de que a crise econômica iniciada em 2008 não é como as que vivemos anteriormente. Diferentemente das anteriores que possuíam características de repercussões cíclicas, esta crise provocará uma ruptura estrutural: quando ela passar e as coisas voltarem ao normal, esse não vai ser o mesmo normal de antes. Não reconhecer isso é arriscar a surpresa de se planejar para a volta do normal anterior e se descobrir numa realidade bem diferente.


Segundo o futurista Ray Kurzweil a potência disponível de computação aumenta exponencialmente com o avançar do tempo, enquanto o preço da tecnologia cai drasticamente. A curva exponencial de desenvolvimento tecnológico dobrava a cada três anos, em 1950 a cada dois anos e em 1980 a cada ano e meio. Hoje dobra a cada 11 meses.


Analisando estas informações percebemos que a velocidade de tranformação que vivemos será cada vez maior e envolta num ambiente de incertezas macro-economicas. Como posicionar as organizações diante de um cenário caótico como estes?


Grupo de pessoas alegres trabalhando reunidos em uma sala corporativa bem iluminada com papéis e computadores
Reunião de planejamento


Observando as disciplinas que dispomos para minimizar as chances de erro no exercício de prever o futuro das organizações e posicioná-las numa situação de sucesso, encontramos o Planejamento Estratégico que, de acordo com as principais escolas, prega que um bom planejamento estratégico deve prever horizontes de curto, médio e longo prazo. Porém, ao deparamos com um cenário como este que vivemos na atualidade, a necessidade de entender como podemos aplicar, ou até mesmo adaptar o modelo torna-se preemente.


A idéia do planejamento estatégico nortear o futuro das organizações para os próximos 5 a 10 anos como um "guia rodoviário" com características rígidas de leitura da topografia ambiental e circunstancial da empresa, não deve ser aplicada com tanta rigidez.


Diferentemente do que muitos executivos pensam, o planejamento estratégico não é estático e sim dinâmico. Pense na curva exponencial de desenvolvimento tecnológico citado acima, agora pense em como manter um planejamento estratégico estático de médio e longo prazo? Considerando ainda, o cenário de incertezas da teoria do novo normal, como podemos pensar em ter sequer um planejamento estratégico de curto prazo estático!


A revisão periódica do planejamento estratégico é mais do que uma necessidade, é fator de sobrevivência para as organizações nos dias de hoje.


Revise seu planejamento estratégico periodicamente, crie o comitê de planejamento estratégico, tenha os ferramentais orçamentários e de acompanhamento dos indicadores alinhados ao planejamento estratégico e a suas revisões de forma dinâmica. Permeie a organização com a cultura da mudança e enfrente este cenário de forma vencedora, criando hoje as oportunidade de sucesso do amanhã.



Sobre o autor:

André Vidmar é Sócio-Consultor da Soluções Certas Consultoria Empresarial e presta serviços de consultoria em empresas dos mais diversos segmentos. É especializado na elaboração e implementação do planejamento estratégico com o Balanced Scorecard. Ministra palestras e cursos sobre Gestão Financeira, Planejamento Estratégico, Custos, Formação de Preço, Balanced Scorecard e Matemática Financeira. #planejamentoorçamentario #solucoescertas #planejamentoestrategico

2 visualizações0 comentário